Menu Principal
Início
Nossa empresa
Empreendimentos
Imóveis de Terceiros
Imóveis de Aluguel
Simule seu financiamento
Fale Conosco
Busca avançada
 
 
 CÓDIGO
 VALOR
Área Restrita





Esqueceu a senha?
Usuários Online
Notícias
LEI N° 12.112 DE 9 DE DEZEMBRO DE 2009
LEI N° 12.112 DE 9 DE DEZEMBRO DE 2009 (Altera a Lei 8.245/91)  Nova lei  Entre as mudanças introduzidas pela nova lei, estão a desobrigação do fiador e a criação de regras para a mudança de fiador durante o contrato. Atualmente, a Lei do Inquilinato não trata do assunto, que vem sendo analisado com base no Código Civil. O fiador pode desistir da função, ficando apenas responsável pelos efeitos da fiança durante 120 dias depois de o locador ter sido notificado.O proprietário também poderá exigir um novo fiador, caso o antigo ingresse no regime de recuperação judicial. Com isso, pretende-se dar mais garantias ao proprietário e exonerar a empresa fiadora que passe por crise econômico-financeira.Em caso de divórcio ou morte do locatário, a nova Lei do Inquilinato cria regras para a manutenção ou substituição do fiador. Atualmente, a legislação não prevê essa possibilidade.A nova lei também adéqua ao novo Código Civil a proposta que mantém a proporcionalidade da multa rescisória em caso de devolução antecipada do imóvel locado.Em caso de despejo, a ação é suspensa se, em 15 dias, o inquilino quitar integralmente a dívida com o proprietário ou a imobiliária. Com isso, não fica mais valendo a apresentação de um simples requerimento em que o locatário atesta a intenção de pagar a dívida – algo que tem atrasado em mais de quatro meses as ações de despejo.Fica adotado também o mandado único de despejo. Cai, assim, a prática atual de dois mandados e duas diligências, entre outros procedimentos que atrasam o processo.  Vale a pena salientar, o Presidente Lula sancionou a Nova Lei com vetos. Entre os itens vetados está o que determina concessão de liminar para desocupação do imóvel em 15 dias quando houver pedido de retomada em razão de melhor proposta apresentada por terceiros.Também foi vetado o parágrafo que previa a concordância do proprietário do imóvel para a manutenção do contrato de aluguel em eventuais mudanças societárias do inquilino pessoa jurídica. A justificativa para o veto é de que “o contrato de locação firmado entre o locador e a pessoa jurídica não guarda qualquer relação de dependência com o a estruturação societária da pessoa jurídica locatária”.Foi vetada ainda a aplicação imediata da Lei, que não passa a valer a partir da data da publicação no Diário Oficial da União. A lei terá o prazo de 45 dias para entrar em vigor, a partir de 10 de dezembro. A razão da extensão do prazo é dar tempo hábil para que as pessoas afetadas pelas normas conheçam o conteúdo do texto e se adaptem para suportar seus efeitos.   Josenilton Valença Gerente Administrativo Felizola Imobiliária  

ALUGUEL ESCLARECIMENTO Obs:Para visualizar todo o conteúdo,clique no texto e role a página pra baixo
É muito comum, haver duvidas na relação entre Locador e Locatário quando de uma locação de apartamento, no que diz respeito ao condomínio, mas precisamente das taxas ordinárias e extraordinárias. É sempre uma polemica quando, a administração do edifício necessita de recursos extra na taxa do condomínio e conseqüentemente gera um valor adicional à taxa cobrada mensalmente. Muitas das vezes, o Locatário achando que, como se trata de taxa extra a responsabilidade desse pagamento é de inteira responsabilidade do Locador, quando na verdade, em alguns casos isso não ocorre. A Lei do inquilinato (Lei nº 8.245/91) deixa esse assunto bem claro, se não vejamos: No Art. 22 e 23 – Deveres do Locador e do Locatário, entre outros, salientamos.  Art.22 Inciso X, parágrafo único:O Locador é obrigado a :...... Pagar as despesas extraordinárias de condomínio.  Por despesas extraordinárias de condomínio se entendem àquelas que não se refiram aos gastos rotineiros de manutenção do edifício, especialmente: ü      a) obras de reformas ou acréscimos que interessem à estrutura integral do imóvel. ü      b) pintura das fachadas, empenas, poços de aeração e iluminação, bem como das esquadrias externas. ü      c-) obras destinadas a repor as condições de habitabilidade do edifício. ü      d-) indenizações trabalhistas e previdenciárias pela dispensa de empregados, ocorridos em datas anterior ao início da locação. ü      e-) instalação de equipamento de segurança e de incêndio, de telefonia, de intercomunicação, de esporte e de lazer. ü      f-) despesas de decoração e paisagismo nas partes de uso comum. ü      g-) constituição de fundo de reserva. Art. 23,  parágrafo  XII -§ 1º –O Locatário é obrigado a:......Pagar as despesas ordinárias de condomínio.  § 1º - Por despesas ordinárias de condomínio se entedem as necessárias à administração respectiva, especialmente: ü      a-) salários, encargos trabalhistas, contribuições previdenciárias e sócias dos empregados do condomínio. ü      b-) consumo de água e esgoto, gás, luz e força das áreas de uso comum. ü      c-) limpeza, conservação e pintura das instalações e dependências de uso comum. ü      d-) manutenção e conservação das instalações e equipamentos hidráulicos, elétricos, mecânicos e de segurança, de uso comum. ü      e-) manutenção e conservação das instalações e equipamentos de uso comum destinados a pratica de esporte e lazer. ü      f-) manutenção e conservação de elevadores, porteiros eletrônicos e antenas coletivas. ü      g-) pequenos reparos nas dependências e instalações elétricas e hidráulicas de uso comum. ü      h-) rateios de saldo devedor, salvo se referente a período anterior ao início da locação. ü      i-) reposição do fundo de reserva, total ou parcialmente utilizado no custeio ou complementação das despesas referidas nas alíneas anteriores, salvo se referidas a período anterior ao início da locação,   COMPLEMENTAÇÃO   § 2º - O locatário fica obrigado ao pagamento das despesas referidas no parágrafo anterior, desde que comprovada a previsão orçamentária e o rateio mensal, podendo exigir a qualquer tempo a comprovação das mesmas.   § 3º - No edifício constituído por unidades imobiliárias autônomas, de propriedade da mesma pessoa, os locatários ficam obrigados ao pagamento das despesas referidas no § 1º deste artigo, desde que comprovadas.   Como é peculiar da nossa empresa, FELIZOLA IMOBILIÁRIA, todo esse ESCLARECIMENTO no nosso site, tem um só intui facilitar, acabar, com qualquer divergência que possa acontecer na relação Locador e Locatário.     Josenilton Valença Gerente Administrativo Felizola Imobiliária  

CARTEIRA DE ALUGUEL
Administramos o seu imóvel, abrangendo todos os itens de uma Locação, ou seja, GARANTIMOS O ALUGUEL, independentemente do pagamento por parte do Locatário, realizamos seu Depósito em agência Bancária de sua preferência, realizamos Vistoria inicial e Final, as quais só são finalizadas após parecer favorável ao recebimento do imóvel. Acompanhamento mensal das contas de Luz, Água, Condomínio e IPTU. Como nossa meta é SEMPRE MELHOR SERVIR AOS NOSSOS CLIENTES estamos à disposição, para quaisquer esclarecimentos, ao tempo que agradecemos sugestões ou críticas, quanto aos nossos serviços, as quais só viriam adicionar e/ou melhorar nossa qualidade de trabalho.

VEJA E CONFIRA
LANÇAMENTOS

Nome: Senha:
Empreendimentos
FACHADA
Costa do Atlântico
PÓRTICO DE ENTRADA
Vivace Morada Club
FACHADA
Alta Vista Residence
FACHADA
Ubyratan Maia
Imóveis de Terceiros
ENTRADA
Chácara São Sebastião
SALA
Casa Residencial 395
FACHADA
CC21- COND.MARIA RESENDE
SALA
A170-Cond. Encantos Mineiros
Não existem itens a exibir
Atendimento on-line
Parceiros
Galeria

Enquete
Como você conheceu Felizola Imobiliária?